12.12.05
PÉ DESCALÇO NO SOALHO
O 43º Comtextos já saíu e é sobre O CORPO!
Quem quiser saber mais sobre esta revista e "os lugares que nos habitam" tem apenas de procurar no blog: comtextos-mce
Encontrará capas, índices, editoriais, pequenas partes dos textos e as apresentações dos seus autores. Estão ali todos os Comtextos editados desde Setembro de 2004.


















1 – O CORPO COMUNITÁRIO, SEGUNDO JOSÉ GIL
Fernando Belo: Professor de Filosofia da Linguagem na Faculdade de Letras de Lisboa, jubilado.

2 – CORPOS POLUENTES
Rosa Maria Perez: Doutorada em Antropologia Social pelo ISCTE onde é agora professora. Tem realizado desde 1983 trabalho de investigação sobre a Índia, primeiro no Gujarate, sobre o sistema de castas a partir de um grupo de intocáveis, e, depois em Goa, sobre o hinduísmo e os mecanismos de intercepção entre ele e o cristianismo. Trabalhou também em questões de identidade e etnicidade.

3 – A INSPIRAÇÃO – DO CORPO DA POESIA
Graça Capinha: Professora Auxiliar do Grupo de Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras e Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Responsável pelo Curso Livre “Oficina de Poesia”.

4 – DA PELE QUE ME COBRE
Márcia Santos: Finalista do curso de Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Frequentou aulas de Movimento, no C.E.M., e aulas de voz aliadas com sessões de Fasciaterapia.

5 – O CORPO E A EXPRESSÃO NA DANÇA
Índio Queiroz: Nasceu no Brasil onde teve inicio a sua formação e experiência profissional na dança. É licenciado em Educação Física pela Universidade Católica do Salvador. Em 1991 muda-se para Portugal e dá seguimento ao trabalho na dança contemporânea como coreógrafo, professor e também como intérprete das suas próprias criações e de outros criadores. Colabora com companhias de teatro como a Seiva Trupe e o Entretanto Teatro e recentemente criou o Vídeo-Dança “O Estranho Mundo dos Crawford”, com a realização de António Pires, apresentado no Frame e seleccionado para o Arte non Stop no Santiago Alquimista, em Lisboa.

6 – ELA ESQUECEU-SE DO PRÓPRIO CORPO
Sílvia das Fadas: Ela cresceu nos mundos de teatro do CITAC e descobriu o cinema num impulso, no súbito desejo de transformar as palavras em imagens. Seguindo um antigo rastilho de olhar para fora e para dentro ao mesmo tempo deixou a sua cidade circular para terminar os Estudos Artisticos na bella Roma.

7 – O CORPO. Algumas perspectivas da deficiência visual
Domingos Diogo: Músico. Actualmente trabalha em dois projectos de Música Tradicional Portuguesa: "Grupo de Cavaquinhos da Nestlé" e "Ventos da Ria". Lecciona aulas no ensino de música e instrumentos Já foi Retroseiro. É dirigente na Associação Portuguesa de Deficientes.

8 – ÀS VEZES AMARRA, ÀS VEZES ASA
José Carlos Patrício: Desejou ser padre mas só conseguiu ir até amado professor de História. Depois foi convencido pelo sogro a ser arquivista. Hoje adora sê-lo, no Centro de Documentação 25 de Abril, da Universidade de Coimbra. Também é feliz a cultivar a terra e a fazer amigos.

9 – PALPITAR A TREZE TEMPOS
Beatriz Batarda: Formou-se na Guildhall School of Music and Drama, Inglaterra, em representação. Foi nessa categoria que recebeu a medalha de ouro do curso. Em cinema participou em filmes como: Tempos Difíceis, Vale Abraão, A Caixa, Dois Dragões, Porto Santo, Elas (Elles), O que te quero, Peixe-Lua, Quaresma, Noite Escura, A Costa dos Murmúrios e, mais recentemente, em Alice. Em teatro fez parte do elenco das seguintes peças, em Inglaterra, Love's labours lost; Beyond a joke, e, em Portugal, The winter's tale, Triunfo do Inverno, Um auto de Gil Vicente, Crónica Geral de Espanha, Sonho de uma noite de verão, Vozes da paixão.

10 – PONTO DE EXCLAMAÇÃO (!)
José Rui [criança de 5 anos] e Pedro N. [criança de 7 anos]



HaloScan.com